Pesquisa mostra o que motiva e o que falta para a população brasileira viver plenamente.

Felicidade, amor, saúde, vitalidade, longevidade. Preocupada em saber como é a vida do brasileiro, suas impressões e expectativas, e o que o impede de viver ao máximo, a Abbott, em parceria com a área de Pesquisa e Inteligência de Mercado da Abril e com o Fórum Saúde da Editora Abril, desenvolveu um estudo com 5.130 pessoas de todas as regiões do país.

O estudo procurou entender o que inspira e o que impede as pessoas de viver uma vida cheia de experiências ricas, independentemente de idade ou de condição financeira. Responderam a pesquisa homens (49%) e mulheres (51%) acima de 20 anos, com média de idade de 37 anos.

Os resultados traçam um panorama valioso do perfil do brasileiro, suas ambições, planos e expectativas, e o que pretendem fazer para atingi-los. A análise permitiu também a identificação dos pilares que motivam esta busca.

"A essência da Abbott é justamente ajudar as pessoas a alcançarem todo seu potencial por meio da saúde. E acreditamos que a busca por esse potencial é ilimitada e está dentro de cada um!", compartilha Juan Carlos Gaona, presidente da Abbott no Brasil.

Confira os resultados detalhados aqui,

além de opiniões e experiências de quem já vive ao máximo.

 

ENTENDA COMO A PESQUISA FOI FEITA

Foram aplicados métodos qualitativos e quantitativos para o desenvolvimento do estudo. Para a pesquisa qualitativa, foram consultados quatro especialistas e 16 consumidores selecionados. Esta parte serviu de base para o levantamento de argumentos e atributos que seriam validados pelo público entrevistado na fase quantitativa.

Em seguida foi feita a pesquisa quantitativa por meio de questionário via web, enviado para base selecionada e os resultados foram ponderados com base nos usuários de internet no Brasil, tendo como fonte a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2013 e a margem de erro é de 1,4 ponto percentual.

Veja o que significa viver ao máximo ao redor do mundo.

Aproximadamente dois milhões de pessoas ao redor do mundo participaram da pesquisa sobre estilo de vida, por meio de pesquisas on-line, mídias sociais e eventos, de setembro de 2015 até março de 2016.