Como viver de forma saudável: correr faz bem para o corpo e a mente
 
Correr mantém o corpo ativo ajuda ainda a garantir uma mente saudável.

Como viver de forma saudável: correr faz bem para o corpo e a mente

By Cecilia Valenza

Como viver de forma saudável em meio a uma rotina estressante, com pouco tempo livre para cuidar da cabeça e do corpo? Quem se faz essa pergunta, nada incomum nas grandes cidades, pode encontrar a corrida como resposta. Ótima opção de atividade física, é um exercício aeróbio barato, que pode ser praticado em vários lugares e não exige equipamentos específicos. Além de manter o corpo ativo, ajuda a garantir uma mente saudável.

Os benefícios da corrida são inúmeros e há evidências científicas de que os exercícios aeróbios aprimoram nossas funções cognitivas1. Após uma corrida, o lobo frontal do cérebro, área associada ao foco e à concentração, é irrigado com um fluxo sanguíneo mais intenso que o usual. Além disso, uma pessoa que corre regularmente costuma apresentar maior conectividade entre regiões cerebrais distintas2.

Quem corre sente na prática todos os benefícios. "A corrida transformou a minha vida e me ensinou que, se tiver foco, não existe nada que você não seja capaz de conseguir", afirma Pedro Bisson, colaborador da Abbott Brasil, que acaba de correr sua primeira maratona em Berlim, competição que faz parte da Abbott World Marathon Majors.

No período de apenas um ano, Pedro trocou uma rotina totalmente desregrada de má alimentação, poucas horas de sono e sedentarismo por uma prática intensa de treinos. "Tudo começou em setembro do ano passado. Na época eu estava tratando o transtorno bipolar e, quando atingi a zona de efeito da medicação, meu médico disse que, para continuar me sentindo bem, eu precisava de pelo menos 10 dias de uma rotina de sono, alimentação e exercícios físicos regulares. Naquele tempo, eu não tinha nada disso", lembra.

Pedro conta que a primeira vez que sentiu o impulso de correr estava na praia. "Acordei às quatro da manhã sem sono e não conseguia mais dormir. Foi então que olhei para o meu tênis e decidi que ia correr", conta. Na época, ele também tentava parar de fumar. "No dia do meu aniversário, 4 de novembro, decidi que pararia de vez e tracei um objetivo: faria minha primeira prova de corrida", relembra.

Com férias próximas, ele resolveu juntar lazer e esporte e encontrou uma prova de 10 km, numa cidade pequena no interior da África do Sul: "Quando terminei a corrida, sentia dor em todas as partes do corpo, mas tive a certeza de que aquele era só o começo". Vencido esse primeiro desafio, Pedro decidiu que correria uma meia maratona: 21 km. Foram quatro meses de treinos de corrida, força e equilíbrio, período em que até abriu mão da vida social.

Valeu a pena: Pedro completou a prova em menos de duas horas e, logo depois, soube que havia sido selecionado para correr a maratona de Berlim. "Fui ao delírio! Isso foi em maio de 2018, a maratona seria em setembro do mesmo ano, ou seja, eu teria apenas quatro meses para me preparar", conta. Ele buscou o apoio de um treinador e deu início a uma rotina de 10 a 12 treinos por semana, de segunda a sábado.

Durante os quatro meses de preparação, foram mais de 500 km corridos até o dia da prova, que foi cheia de desafios. No km 25 da Maratona de Berlim, Pedro torceu o tornozelo. No km 30, as cãibras tomaram conta das pernas. No km 38, ele quase desistiu. "Foi quando cheguei na área em que estavam todos os meus colegas da Abbott torcendo e isso me deu muita força. Quando cruzei a linha de chegada, foi uma sensação incrível. Recebi a medalha e desabei a chorar."

Depois dessa mudança de vida, Pedro conta que nunca mais teve crises do transtorno bipolar e aprendeu como viver de forma saudável. "Aliás, nem lembro a última vez que fiquei doente, e sei que não tem nada na vida que você não consiga vencer se tiver foco, disciplina, determinação e amor pelo que faz", resume.

Referências

1. Acute Aerobic Exercise Increases Cortical Activity during Working Memory: A Functional MRI Study in Female College Students https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4050105/

2. Differences in Resting State Functional Connectivity between Young Adult Endurance Athletes and Healthy Controls https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fnhum.2016.00610/full