Estresse e doenças cardíacas em mulheres: como riscar do mapa esses males
 
Estresse e doenças cardíacas em mulheres: como riscar do mapa esses males

Estresse e doenças cardíacas em mulheres: como riscar do mapa esses males

Saiba como as mulheres são afetadas pelo estresse

Mulheres e homens têm uma estatística preocupante em comum: as doenças cardiovasculares são a principal causa mundial de morte para ambos, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde – OMS 1. Mas a relação entre estresse e doenças cardíacas parece prevalecer entre as mulheres.

Para entender por que o estresse é um fator de risco, principalmente no que diz respeito a doenças cardíacas em mulheres, e saber o que fazer para mantê-lo sob controle, confira aqui uma visão geral do assunto.

Como o estresse afeta o coração das mulheres

As mulheres brasileiras relatam níveis mais altos de estresse em relação aos homens, de acordo com dados do Programa de Avaliação do Estresse (PAE) da Beneficência Portuguesa de São Paulo, publicados em 20142. Além disso, conforme o Hospital do Coração (HCor)3, no Brasil, as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte entre as mulheres.

Nos Estados Unidos, a pesquisa Stress in America, da American Psychological Association4, revelou que, numa escala de 1 a 10, as mulheres classificaram seus níveis de estresse em 5,0, enquanto a média dos homens foi de 4,6 em 2016. De acordo com o artigo científico da American Heart Association (AHA), publicado pela Circulation 5, quando as mulheres são expostas a fatores estressantes, elas têm um risco maior de ataques cardíacos do que os homens em situação semelhante.

O estresse a longo prazo aumenta a exposição ao hormônio do estresse cortisol e prejudica a saúde do coração com o passar do tempo, conforme artigo apresentado pela Mayo Clinic 6.

Quando esses fatores de risco causam um ataque cardíaco nas mulheres, os sintomas podem ser manifestados de forma diferente em relação aos homens. Embora ambos os sexos relatem frequentemente dor no peito como um sintoma durante um ataque do coração, as mulheres têm mais probabilidade de apresentar outros sinais, como tontura, fraqueza ou ansiedade.

3 dicas para controlar o estresse

Sempre consulte seu médico se você estiver se sentindo sobrecarregado ou com dificuldade de lidar com o estresse. Veja três atividades diárias que podem ajudar.

  1. Ouça música e faça exercícios. Mulheres, assim como homens, relatam que se exercitar e ouvir música são suas principais formas de lidar com o estresse, de acordo com a American Psychological Association (APA) 7. Independentemente da sua velocidade, considere combinar essas atividades para relaxar e desligar-se do que está incomodando. O Ministério da Saúde 8 aponta também que a prática de atividades físicas pode diminuir a ansiedade e melhorar a qualidade do sono.
  2. Acalme sua mente. Incluir ioga e meditação à lista de atividades para aliviar o estresse e as doenças cardíacas em mulheres. A ioga aproveita sua energia física e mental para gerar paz no corpo e na mente. Reserve um momento para abstrair, respirar profundamente e limpar sua mente.
  3. Socialize. De acordo com a mesma pesquisa da APA, as mulheres têm mais probabilidade de relaxar com atividades sociais, como passar algum tempo com amigos ou família. A abordagem social é sábia. Seja proativo: peça ajuda aos entes queridos e envolva-se em atividades que o conectem com pessoas que tenham interesses semelhantes aos seus. Compartilhar o que vai pelo seu coração com outros pode ajudar a protegê-lo.

Essas são apenas algumas formas de reduzir estresse e doenças cardíacas: o mais importante é descobrir o que funciona melhor para você e para seu coração.

Referências:

  1. Organização Mundial de Saúde – OMS http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5253:doencas-cardiovasculares&Itemid=839
  2. R7 http://noticias.r7.com/saude/mulheres-sofrem-mais-com-estresse-do-que-os-homens-mostra-estudo-08032014
  3. Hospital do Coração (Hcor) http://www.hcor.com.br/imprensa/noticias/mulheres-tem-50-de-probabilidade-de-infarto-maior-quando-comparada-aos-homens/
  4. American Psychological Association (APA) http://www.apa.org/
  5. Circulation http://circ.ahajournals.org/content/133/9/916?ijkey=d4867b0e485e4d37d83cf964892def91c8b8e3cd&keytype2=tf_ipsecsha#sec-2
  6. Mayo Clinic http://www.mayoclinic.org/healthy-lifestyle/stress-management/in-depth/stress/art-20046037
  7. American Psychological Association (APA) http://www.apa.org/
  8. Ministério da Saúde http://www.blog.saude.gov.br/index.php/34450-pratique-atividades-fisicas-e-combata-o-estresse