Fábbio Silva na Abbott World Marathon Majors: uma jornada a partir do Brasil
 
Fábbio Silva na Abbott World Marathon Majors

Fábbio Silva na Abbott World Marathon Majors: uma jornada a partir do Brasil

Por Catarina Arimateia
Colaborador da Abbott Brasil participará da Maratona de Chicago, uma das provas da Abbott World Marathon Majors

No final de 2015, com o ponteiro da balança apontando quase 100 quilos, Fábbio Vinicius Silva, 31 anos, matriculou-se numa academia para perder peso e melhorar a saúde, que já começava apresentar alguns sinais negativos da vida sedentária. Hoje, menos de dois anos depois, ele é um dos selecionados pela Abbott Brasil para participar da Maratona de Chicago de 2017, uma das seis provas da série Abbott World Marathon Majors, que também inclui as maratonas de Tóquio, Boston, Londres, Berlim e Nova York.

Alimentação balanceada, atividade física e saúde passaram a ser palavras-chave na vida de Fábbio, representante de promoção de vendas da Divisão de Farmacêuticos Estabelecidos, em Goiânia (GO). O resultado das corridas é visível: hoje ele pesa 74 quilos distribuídos em 1,80 metros. E a saúde está perfeita, pronta para enfrentar a maratona americana no dia 8 de outubro.

A mudança do estilo de vida de Fábbio não aconteceu de uma hora para outra. Houve bons motivos. Ao fazer exames de rotina, ele descobriu que sua contagem de ácido úrico estava alta. Pior quando o médico mediu sua circunferência abdominal: 112 cm na época, sendo que o normal seria por volta de 92 cm. Um excesso de gordura perigoso, que eleva os riscos de doenças cardiovasculares e diabetes.

Seus hábitos eram bastante sedentários. "Chegava à noite em casa sem disposição para nada", lembra. Depois da visita ao médico, ele decidiu que era hora de mudar. Além dos exercícios, adotou uma alimentação mais equilibrada. Apesar de nunca ter ligado para doces, Fábbio não resistia a massas, carne vermelha gorda e sanduíches. Hoje, suas principais fontes de carboidratos são a batata-doce e o arroz integral. Não que ele tenha cortado definitivamente a massa do cardápio. Vez ou outra, saboreia um pedaço de pizza, mas tudo com moderação.

Evolução

A rotina de exercícios começou de maneira bem leve, mas disciplinada, até que Fábbio ganhasse condicionamento e força para conquistas mais ousadas. "No início, eram 20 minutos de esteira. Eu caminhava e corria. Depois, eu fazia mais 20 minutos de bicicleta. Esse era o meu treino, todos os dias. E assim comecei a perder peso", conta. Logo ele estava correndo de 2 a 3 km na esteira e sentiu-se motivado a inscrever-se numa corrida de rua em Goiânia. Foi a primeira vez que conseguiu percorrer 5 km sem parar.

"Eu nunca tinha participado de uma prova. Quando terminei de correr aqueles 5 km, estava no meu limite. Aí, ganhei uma medalha e foi muito emocionante. Correr também tem isso de legal: em qualquer corrida de rua, seja de 5 km, 10 km, você ganha uma medalha, não importa o seu tempo".

Depois dessa primeira vitória, Fábbio resolveu procurar uma assessoria específica para corridas e começou a treinar toda semana. Nesse ponto, já tinha uma meta: primeiro, correr uma prova de 10 km; depois, partir para meia-maratona. Após um ano, fez sua primeira prova de 21 km, a meia-maratona de Brasília. "Peguei gosto pela corrida. Só de medalhas em casa devo ter umas 30."

Depois de Brasília, Fábbio colocou como objetivo correr mais três meias-maratonas. Neste ano, surgiu a oportunidade de correr uma em São Paulo, para comemorar os 80 anos da Abbott Brasil, e ele ficou entre os 8 participantes da empresa que completaram a corrida em menos de duas horas, um dos critérios definidos pela empresa para que os colaboradores pudessem participar do sorteio de duas vagas para a Maratona de Chicago de 2017. Fábbio ficou com uma das vagas. E a outra com o Eduardo Ishikawa, analista do Programa de Relacionamento com o Cliente da Divisão de Farmacêuticos Estabelecidos da Abbott, em São Paulo (SP).

De Goiânia para Chicago

Para competir em Chicago, Fábbio está treinando uma hora por dia, sempre à noite. Nas segundas, quartas e sábados, ele corre. Nos outros dias, faz musculação e natação, para ganhar mais resistência. "Eu não sabia nadar. Hoje, quando vou fazer os treinos, já me sinto mais leve. É uma questão de respiração, mesmo. Parece que a gente tem mais fôlego", comenta.

E o que ele espera ao competir em uma das seis provas da série Abbott World Marathon Majors? "Já estou bem ansioso, contando os dias. Para mim, apesar da vaidade pessoal de conseguir fazer um bom tempo em Chicago, o mais importante é terminar bem a maratona. Minha expectativa é fazer o percurso de 42 quilômetros e 195 metros em menos de quatro horas".

Entusiasmado, ele aponta o caráter democrático como um dos mais prazerosos da corrida. "Se você gosta de futebol, em que dia terá a chance de jogar com o Neymar? Provavelmente nunca. Pois eu vou correr com o recordista Dennis Kimetto". O queniano, inclusive, foi o vencedor da Maratona de Chicago em 2013.

Vitórias além da pista

Os benefícios da corrida vão além do esporte. Desde que começou a se exercitar, Fábbio diz ter mais disposição, fez (e influenciou) vários amigos a se praticar exercícios físicos. Sua irmã caçula, Monique, de 15 anos, também se interessou pela corrida e viu sua autoestima aumentar. Para quem deseja seguir o mesmo caminho, ele aconselha a ter calma e determinação, já que não é da noite para o dia que se consegue correr 1, 2 ou 10 quilômetros. Mas é preciso acreditar que, com treino e dedicação, isso será possível.

O mais importante, diz ele, é se movimentar, seja correndo, nadando ou praticando qualquer modalidade que traga prazer. Sempre.