Paixão que salva vidas
 
Paixão que salva vidas

Paixão que salva vidas

A Carolina Holler doa sangue desde os 18 anos e incorporou o ato de doar em sua vida.

Com 18 anos, Carolina Holler entrou em contato com a doação de sangue pela primeira vez ao ver pessoas próximas a ela precisando de sangue, Carol se prontificou e doou o seu. A partir daí sua vida mudou.

Ela se apaixonou pela causa e hoje pode ser considerada uma doadora recorrente, doando sempre que não existam impeditivos. Já foram cinco doações nos últimos anos e com certeza virão mais pela frente. E coincidências da vida (ou não), hoje ela trabalha na Abbott, na divisão de Diagnósticos que oferece soluções para os testes nos bancos de sangue.

Um hábito que salva vidas

Ao contrário do que muita gente pensa, doar sangue não é uma tarefa tão árdua assim. Não é preciso meses de preparação, tampouco alterar sua rotina diária. Com um pouco de planejamento e força de vontade, a doação encaixa-se mesmo nas rotinas mais agitadas.

Engajada com a causa, ela se organiza para doar sangue sempre que possível. Mesmo morando numa cidade com trânsito acima do comum, uma rotina agitada e com as algumas tatuagens, ela consegue manter o hábito vivo.

Segundo a Carol, ela se organiza para doar sangue sempre que pode. “Eu adoro fazer tatuagem. Tenho algumas. Mas quando estou planejando fazer uma nova, eu me programo para doar sangue antes”, conta.

Acompanhamos de perto a 5ª doação da Carol e você pode assistir como foi no vídeo abaixo.

Assista Assista Sempre que posso doo sangue.

Segundo a Carol, a entrevista, triagem e cadastro não demoraram mais que meia hora. E a doação, que tem fama de ser um processo demorado, durou no máximo 15 minutos. 

“É uma sensação muito boa ajudar quem precisa. E a sensação que vem depois é muito melhor, muito gratificante”, disse.

E aí, vamos planejar sua próxima doação?

TODOS SOMOS DOADORES

A Abbott criou a campanha Todos Somos Doadores, que incentiva a doação de sangue das mais variadas formas. Descobrir como você pode ajudar é simples como uma conversa de Facebook.

Quer saber como como você pode ajudar com a doação de sangue? Clique aqui e saiba mais sobre o tema.