Pressão alta: o maior perigo é a falta de informação
 
É fundamental medir a pressão regularmente

Pressão alta: o maior perigo é a falta de informação

By Patricia Oyama

Tontura, falta de ar, dor de cabeça: você já deve ter ouvido alguém relacionar esses sintomas à pressão alta. Sim, eles podem ter alguma ligação com o quadro. Mas o fato é que, na maioria das vezes, uma pessoa que sofre de pressão alta não apresenta sintomas de doenças cardíacas ou outros indícios que acusem o problema. E é aí que mora o grande perigo dessa doença. Se não for controlada, ela pode reduzir a expectativa de vida em cerca de 16,5 anos1 .

Também conhecida como hipertensão, a pressão alta atinge pelo menos 25% da população adulta no Brasil. Na faixa etária acima dos 60 anos, esse índice chega a ultrapassar os 50%. Boa parte dessas pessoas, entretanto, desconhece sua condição ou, devido à natureza assintomática do distúrbio, simplesmente não segue um tratamento para controlá-lo. O resultado disso aparece nos números: a hipertensão responde por 40% dos infartos, 80% dos derrames e 25% dos casos de insuficiência renal terminal no país (2). Estas e outras consequências graves da pressão arterial elevada podem ser evitadas com duas medidas simples: informação e tratamento adequado. A seguir, você vai saber as respostas para algumas das principais dúvidas sobre o assunto.

O que é hipertensão?

A pressão arterial é a força exercida pelo sangue, bombeado pelo coração, dentro dos vasos sanguíneos. Quando as artérias oferecem algum tipo de resistência à passagem do sangue, essa força é aumentada, caracterizando um quadro de pressão alta.

Como descobrir se sou hipertenso?

A hipertensão é uma doença silenciosa e geralmente não apresenta sintomas. Para descobrir sua existência, é preciso fazer a medição da pressão arterial. Os aparelhos medidores registram a pressão máxima (sistólica), quando o coração se contrai, e a pressão mínima (diastólica), quando o órgão se dilata, em milímetros de mercúrio. A pressão considerada ótima é de 120/80mmHg (milímetros de mercúrio), ou simplesmente 12 por 8. É considerado hipertenso quem apresenta sistematicamente pressão igual ou maior que 140/90mmHg, ou 14 por 9.

Quais são os riscos da pressão alta?

Quando o sangue circula com a pressão elevada, ele vai machucando as paredes dos vasos sanguíneos, que se tornam endurecidos e mais estreitos. Com o passar do tempo, se o problema não for controlado, os vasos podem entupir e até se romper, o que pode causar infarto, insuficiência cardíaca e angina (dores no peito). Se o vaso afetado estiver localizado no cérebro, a consequência é um AVC (acidente vascular cerebral). A hipertensão pode provocar também insuficiência renal ou paralisação dos rins e ainda distúrbios na visão, que podem levar à cegueira.

O que provoca a hipertensão?

Várias causas podem estar associadas à hipertensão. O fator hereditário é uma delas, assim como a etnia – estudos apontam que negros são mais propensos a apresentar pressão elevada. A obesidade e o envelhecimento também aumentam a incidência da doença. Além disso, há fatores externos que potencializam os riscos, como sedentarismo, má alimentação, tabagismo e consumo excessivo de sal e de álcool. O estresse é outro fator que influencia na ocorrência da pressão alta.

Qual o tratamento para pressão alta?

Apesar de não ter cura na maioria das vezes, a hipertensão pode ser controlada com medicamentos e a adoção de hábitos saudáveis. Em boa parte dos casos, uma mudança no estilo de vida é o suficiente para lidar com o problema. Confira algumas medidas que você pode tomar para manter a pressão sob controle2:

  • Mantenha uma alimentação saudável: prefira alimentos cozidos, assados, grelhados ou refogados e dê preferência a frutas, verduras, legumes e produtos lácteos desnatados. Evite o consumo de açúcar, gordura, embutidos e alimentos processados, fritos, industrializados e enlatados.
  • Reduza o consumo de sal. A quantidade máxima deve ser de 1 colher de chá por dia. Não acrescente sal no alimento depois de pronto e para evitar tentações, não deixe o saleiro à mesa.
  • Pratique atividades físicas. Caminhe mais e adote medidas simples, como trocar o elevador pela escada.
  • Reduza o consumo de álcool.
  • Não fume.
  • Se usar medicamentos, siga a prescrição médica e não abandone o tratamento.
  • Meça a pressão regularmente.
  • Por fim, tente controlar o estresse. Uma postura mais tranquila em relação aos problemas vai ajudar você a ter uma vida mais saudável, longa e feliz.

 

Referências

1. Campanha "Eu sou 12 por 8" (Sociedade Brasileira de Cardiologia)

http://www.eusou12por8.com.br

2. Sociedade Brasileira de Hipertensão

http://www.sbh.org.br/