Atividades físicas para pessoas com diabetes: indispensáveis para a saúde
 
Emerson Bisan: em janeiro de 2018 ele completou a 80ª maratona.

Atividades físicas para pessoas com diabetes: indispensáveis para a saúde

O diagnóstico de diabetes tipo 1 ou 2 costuma vir acompanhado de dúvidas e indagações. Uma das mais frequentes, ouvida em consultórios médicos, é: a é recomendável atividade física para quem tem diabetes? A resposta é um triplo "sim":

Sim, atividade física e saúde estão interligadas para todos, quem tem ou não diabetes.

Sim, porque o fato de ter diabetes não impede a prática de esportes ou atividades– desde que se tome alguns cuidados específicos.

Sim, porque os exercícios podem ajudar a controlar a glicemia.

Quem nos afirma tudo isso é Emerson Bisan, 43 anos, professor de educação física e educador com especialização na Rússia em treinamento desportivo de alta performance. À frente da assessoria esportiva Nova Equipe, ele próprio é referência em treinamentos para pessoas com diabetes. ComPortador de diabetes tipo 1, recebeu o diagnóstico quando ainda cursava a faculdade. Tinha 21 anos.

"Um mês antes de descobrir que tinha diabetes, eu havia estudado justamente sobre a doença numa das disciplinas do curso. Aí, quando surgiram os sintomas – ida frequente ao banheiro, muita sede, falta de ânimo, além da perda de 6 quilos em duas semanas –, desconfiei e fui ao médico", conta o professor.

Depois da dúvida, a superação

Confirmado o diagnóstico, Emerson imediatamente começou o tratamento. Até chegou a ficar em dúvida sobre se iria ou não continuar com a faculdade de Educação Física, mas foi incentivado pelo médico a seguir em frente. "Ele me mostrou fotos do Mark Spitz, nadador norte-americano que conquistou sete medalhas de ouro nas Olímpiadas de Munique, em 1972, e me disse que ele tinha diabetes tipo 1. Foi um incentivo. A partir daí eu também quis ser um Mark Spitz para muita gente com diabetes".

Emerson Bisan foi bem além das sete medalhas. Só de maratonas já tem 80. O marco da 80ª maratona foi em 7 de janeiro de 2018 na Disney, Estados Unidos. Também ultramaratonista, completou recentemente 75 km pela areia, de Bertioga para Maresias, no litoral de São Paulo. Ou seja, Emerson é um grande exemplo de que exercícios e saúde caminham lado a lado.

Exercícios e benefícios

Indispensáveis para o bem-estar de todas as pessoas, as atividades físicas para pessoas com diabetes trazem ganhos extras, já que ao praticá-las o organismo passa a metabolizar a glicose com menos dificuldade. Além disso, segundo Emerson Bisan, a prática de exercícios melhora a circulação, o que diminui os riscos de neuropatia periférica, condição que afeta os nervos periféricos. Também beneficia a condição cardiovascular, reduzindo o risco de doenças do coração (uma das complicações do diabetes), e ajuda a controlar os índices de gordura no sangue, além de proporcionar um aspecto mais saudável e atlético.

Não é comum existir limitações para o esporte ou para os exercícios, a não ser que o paciente tenha complicações decorrentes do diabetes, como comprometimento renal ou visual. Se houver, as atividades terão de ser adaptadas e a pessoa deverá seguir rigorosamente as orientações médicas.

Para quem deseja começar a praticar esportes ou simplesmente se exercitar, o especialista dá dois conselhos: escolha a atividade que mais lhe agradar,seja regular na prática e convide amigos ou familiares para praticarem juntos. Afinal, atividade física é importante para todos e um motiva o outro a continuar a prática.

"O diabetes me deu a oportunidade de correr uma maratona ao lado do meu pai, o que foi muito legal", diz Emerson. O pai, Daniel, não tem diabetes, mas era obeso. Fez a maratona aos 50 anos, depois de perder 20 quilos. A mulher de Emerson, Áurea, também pratica atividades físicas ao lado dele. E as duas filhas, Gabriela (12 anos) e Isadora (10 anos) já participam de corridas infantis, "por livre e espontânea vontade", ele faz questão de dizer.

Atenção aos cuidados

Sim, o sinal está verde para as pessoas com diabetes que desejam praticar atividades físicas. Mas é necessário tomar todos os cuidados possíveis, avisa Emerson, para evitar contratempos ou riscos à saúde. São eles:

  1. Antes de começar a se exercitar, consulte o médico e siga todas as orientações.
  2. Nunca saia para fazer atividade física, qualquer que seja, sem ter carboidratos à mão. Pode ser uma caixinha de suco, um pedaço de rapadura, tabletes de glicose, jujubas. E nada de chocolate: "Nesse caso, o efeito é mais lento, a pessoa continua comendo e pode ingerir mais açúcar do que o recomendável", explica o educador esportivo.
  3. Conheça a atuação dos medicamentos, incluindo a insulina. Evite praticar atividade física na hora de pico da ação dos remédios.
  4. Evite se exercitar em jejum.
  5. Não aplique insulina no local que será mais exigido durante a atividade física. Por exemplo, se for pedalar, evite a coxa. Para uma aula de abdominal, não a aplique no abdômen. É dia de musculação para os braços? Aplique em outro local, menos neles. Se a insulina for aplicada nos locais mais exigidos durante os exercícios, a ação será potencializada.
  6. 6. Identifique-se sempre como pessoa com diabetes. Pode ser uma carteirinha, um colar, uma pulseira ou uma tatuagem (como no caso de Emerson). Deixe a equipe da academia ou do clube que frequenta informada sobre a sua condição.
  7. Lubrifique bem os pés com cremes para evitar atritos, bolhas e lesões.
  8. Promova a troca de informações entre o treinador, o médico e, se for o caso, o nutricionista. Juntos, eles poderão aperfeiçoar o tratamento e o treinamento.
  9. Registre as informações que julgar mais importantes em relação aos exercícios: medidas glicêmicas, medicamentos utilizados, temperatura, peso, alimentação antes, durante e depois dos treinos. São fatores que poderão ajudar a equilibrar atividade física e saúde.
  10. Para evitar hipoglicemia durante os exercícios físicos, aumente o controle do diabetes, seja por meio de testes de glicemia ou pelo monitoramento contínuo da glicose. Faça a monitorização antes, durante e depois das aulas.

O mais importante: movimente-se sempre. Não há restrição de idade, desde que se tome os cuidados necessários e siga as orientações médicas. Para Emerson Bisan, as atividades físicas – da caminhada aos esportes mais complexos – são importantes inclusive para quem tem diabetes para continuar a seguir corretamente o tratamento, já que as metas motivam as pessoas a se cuidar melhor. Afinal, como ele diz, "com um bom controle e com cuidados, podemos realizar qualquer sonho". Palavras de mestre.