É possível viver ao máximo sem saúde?
 

É possível viver ao máximo sem saúde?

Conheça os principais motivos relacionados à saúde que impedem o brasileiro de viver plenamente

Uma dor persistente, o colesterol alto, problemas com depressão, ter estresse constante. É possível viver ao máximo sem estar em plena saúde? Para 75% dos brasileiros, o estado de saúde influi bastante na capacidade de viver ao máximo. É o que mostra a pesquisa “O que é para o brasileiro viver ao máximo?”, feita em parceria pela Abbott com a Revista Saúde, da Editora Abril.

Segundo o estudo, 94% dos entrevistados dizem que viver ao máximo é ter saúde plena, ser saudável. E para 95% dos brasileiros é envelhecer de modo saudável. 

Diversos resultados - quase unanimes - do estudo mostram que a longevidade é uma preocupação do brasileiro. Para 91% dos entrevistados, envelhecer e não perder a juventude, ser ativo, é viver ao máximo. E 84% desejam ter a oportunidade de conhecer e conviver com netos e bisnetos como objetivo para viver plenamenete.  

A saúde que falta

Quando perguntados sobre o que faltava para ter a saúde que lhes garantiria viver ao máximo, os entrevistados apontaram hábitos como ser sedentário (53%), não ter preparo físico (44%), estar acima do peso (43%), viver cansado (39%) e ter uma alimentação desregulada (38%) como impeditivos.

“As pessoas deixam algumas barreiras do ambiente impedir que elas tenham uma vida saudável. Viver no automático é a maior causa do sedentarismo. As pessoas deixam de ir a uma academia por falta de tempo, mas não percebem que não precisam de um exercício programado, agendado, para estar em atividade. Se a pessoa subir escadas, caminhar um pouco mais durante seu dia, ela está fazendo uma atividade física natural”, explica Marcio Atalla, um dos profissionais consultados para a construção do estudo. Ou seja, com pequenas atitudes do dia a dia é possível encontrar o caminho para a plenitude. 

Confira os principais motivos para os brasileiros não viverem ao máximo: