Leitores são mais felizes, aponta estudo
 

Leitores são mais felizes, aponta estudo

Estudo mostra que quem tem o hábito de ler apresenta maior percepção de felicidade e contentamento, em comparação com quem não lê

Pesquisas já comprovaram que a leitura é capaz de retardar a evolução de doenças do cérebro, como o Alzheimer. Também foi comprovado por estudos que e quem lê tem ainda um vocabulário mais amplo e capacidade analítica mais forte. Mas o que não sabíamos ainda é que as pessoas que têm o hábito de ler também são mais felizes!

Isso é o que comprovou uma pesquisa da Universidade de Roma III, feita com 1.100 pessoas. O estudo aplicou diferentes índices de medição da felicidade, e mostrou que os leitores eram mais felizes que as pessoas que não tinham o hábito de ler.

Na escala RuutVeenhoven, que enumera o grau de felicidade das pessoas entre 1 e 10, os leitores atingiram pontuação de 7,44. Já os não-leitores ficaram com 7,21. E esta é uma diferença bastante significativa para os pesquisadores.

A escala de Diener e Biswas, que vai de 6 a 30, mostrou que quem lê tem uma percepção maior de emoções como felicidade e contentamento (21,69 X 20,93); enquanto quem não lê sente mais sensações como tristeza e fúria (17,47 X 16,48).

Leitura para o brasileiro

A pesquisa “O que é para o brasileiro viver ao máximo?”, realizada pela Abbott em parceria com a Editora Abril, mostrou que 57% dos entrevistados aproveitam todo o tempo livre para estudar e adquirir conhecimento. E entre os mais satisfeitos (10% da amostra, composta por mais 5 mil entrevistados), 45% se dizem satisfeitos com sua vida acadêmica.

Então, que tal abrir um livro e deixar que ele leve você pelos caminhos da felicidade?