Viver momentos em família, desfrutar o aqui e agora, espiritualidade: os ingredientes do brasileiro para viver ao máximo
 

Viver momentos em família, desfrutar o aqui e agora, espiritualidade: os ingredientes do brasileiro para viver ao máximo

Pesquisa realizada com mais de 5 mil pessoas em todas as regiões do País mostra o que deixa o brasileiro satisfeito e o que ainda falta para viver ao máximo

O brasileiro é um povo satisfeito com a própria vida, de uma forma geral. É o que aponta um levantamento feito pela Abbott, em parceria com a área de Pesquisa e Inteligência de Mercado da Abril e o Fórum Saúde da Editora Abril, para saber o que significa viver ao máximo para a população do Brasil.

O estudo realizado com 5.130 pessoas, de todas as regiões do Brasil, buscou entender o que inspira as pessoas a viver uma vida cheia de experiências ricas, independentemente de idade ou condição financeira.  Segundo o levantamento, quando o tema é a vida atual, pouco mais da metade dos brasileiros, 52%, considera que está feliz; e apenas 10% dessa fatia afirmam estar totalmente satisfeitos.

Para a maioria dos entrevistados, 60%, o convívio familiar é o fator que mais justifica essa percepção; seguido pela espiritualidade, com 58%; têm em alta conta as relações afetivas, com 57%.  Entre os 48% insatisfeitos, aspectos do dia a dia explicam a sensação de que algo não vai bem: e o que mais incomoda é a estética do corpo, 66%, que aparecem à frente da vida social e da profissional, ambas com 57%.

A pesquisa mostra ainda que a maioria dos totalmente satisfeitos é homem (54%), com idade média de 41 anos, eles são casados (73%), e estão mais felizes com a vida familiar (77%), afetiva (73%) e espiritual (63%) respectivamente.

Já no grupo dos mais insatisfeitos (8%), a maioria é mulher (58%), na faixa dos 34 anos, e tem na falta de motivação e na vida profissional os principais pilares de seu descontentamento, com 56% e 53% de peso, respectivamente.  Além disso, 63% das mulheres extremamente insatisfeitas apontam o estresse do dia a dia como um problema constante e que impede uma vida plena.

Vivendo plenamente

39% dos brasileiros consideram que vivem ao máximo hoje, sendo que destes, apenas 5% estão realmente explorando todo o seu potencial.

Com percentagens acima de 90%, a pesquisa mostrou os seguintes fatores como fundamentais para uma vida plena: “ficar bem consigo mesmo” (97%); “ter otimismo para lidar com as adversidades” (95%); “viajar e conhecer lugares novos” (95%); “envelhecer de modo saudável” (94%), “ter saúde plena” (94%) e “acesso à educação” (93%).

O convívio familiar (86%), o cuidado com a saúde (77%), a vida social (74%),  a profissional (74%) e a afetiva (71%), são as áreas que mais determinam uma vida plena. Já a falta de dinheiro (60%) e de tempo (43%) é o que mais dificulta essa conquista, segundo o estudo.